Ministro do Trabalho interino responde ação por furto de energia elétrica

O atual ministro interino do Ministério do Trabalho, Helton Yomura, que assumiu o posto por conta do impedimento da deputada federal Cristiane Brasil, indicada para o cargo, responde em ação movida pelo Ministério Público do Rio de Janeiro por furto de energia elétrica. Segundo informações do jornal O Globo, com dados da GloboNews, o processo foi aberto em 2014 e refere-se ao consumo ilegal de energia elétrica por parte da empresa da qual o ministro é sócio, a Fimatec, sediada no Rio de Janeiro.  A companhia teria feito uma ligação clandestina em seu galpão, que funciona na zona norte da cidade, que foi localizada por funcionários da Light, concessionária do serviço. Os funcionários afirmam que os medidores de consumo do local haviam sumido, não tendo, deste modo, registro do gasto de eletricidade da empresa. A ação cita que Yomura e seu sócio, Baldomero Simões Abreu, "de janeiro a abril de 2014, livre e conscientemente, subtraíram para si energia elétrica da propriedade da empresa Light, concessionária de serviço público". O gasto não pode ser calculado, mas de acordo com a Light, o prejuízo total alcançaria R$ 25 mil. Em nota, o ministro afirmou que deixou a empresa em 3 de agosto de 2015 e que o processo “decorre de um acidente provocado por caminhão de terceiros na rua de acesso à companhia, que ocasionou a queda do poste e medidor de energia que atende à empresa e à creche vizinha”. Yomura ainda informou que a empresa solicitou o reparo do dano e disse que os próprios funcionários da concessionária de energia “fizeram a ligação direta sob a alegação de retorno no dia seguinte para instalação do medidor”, já que não tinha o equipamento disponível. “A concessionária quedou-se inerte e não fez a instalação do medidor de energia, o que ocasionou o consumo sem medição no período”.

Por Redação GN | Fonte: BN
Compartilhe no G+

GN OnLine

Os comentários não representam a opinião do GN Online; a responsabilidade é única e exclusivamente do autor do comentário.

0 comentários: