Polícia Militar da Bahia ganha grupo contra crime organizado


A Polícia Militar ganhou nesta quarta-feira, 9, um novo grupamento especializado, a Companhia de Patrulhamento Tático Móvel (Patamo). O grupo foi criado para combater facções criminosas com atuação na Bahia.

Acompanhado da cúpula da Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA), o governador Rui Costa participou, na manhã desta quarta, da apresentação dos 96 policiais escalados para iniciar um trabalho de ocupação em regiões com alto índices de criminalidade, apoiando o policiamento local.

O grupo ficará sob comando do capitão PM Leonardo Pujol, que atuou em missões de paz no Haiti. A Patamo está equipada com cinco viaturas, cinco motocicletas, uma base móvel, um veículo aéreo não tripulado (drone) e utilizará cães.

De acordo com o titular da SSP, secretário Maurício Barbosa, o grupo especializado tem, entre as primeiras atribuições, tirar de circulação cerca de 80 suspeitos de ligações com facções criminosas relacionadas ao tráfico de drogas, grupos de extermínio e roubos a instituições bancárias.

Exibição de força

O governador aproveitou a exibição de força do estado para dizer que não vai tolerar que criminosos delimitem espaços na Bahia. “O traficante não é dono de territórios aqui na Bahia. Não vamos permitir isso, para que o trabalhador tenha direito de ir e vir”, alertou.

O titular da SSP, Maurício Barbosa, informou que a Patamo difere da Polícia de Choque, a partir da atuação em áreas determinadas pelo setor de inteligência, enquanto a segunda tem uma atuação voltada para evitar os distúrbios civis, além da destruição do patrimônio.

De acordo com o secretário, a Patamo chega para somar forças com os outros grupos especializados da SSP. Barbosa ressaltou ainda que o combate ao narcotráfico não depende apenas das ações locais, mas do reforço nas fronteiras, além de intervenções nas unidades prisionais.

“Não adianta atuarmos no varejo se não agirmos no atacado. Episódios como um helicóptero com 500 quilos de cocaína não podem passar impunes”, lembrou. “É preciso também mais intervenções nas unidades prisionais, por sabermos que boa parte dessas facções está lá dentro”, completou o gestor.

O comandante-geral da PM, Anselmo Brandão, ressaltou que a Patamo tem como atribuição primordial restabelecer a paz nas comunidades. “Esse é primeiro objetivo, mas, se for necessário ir para o enfrentamento, nós iremos fazê-lo”, enfatizou.

Durante a solenidade, Rui Costa voltou a lembrar a atuação da polícia no episódio da Vila Moisés, na Estrada das Barreiras, quando 12 pessoas foram mortas. Na ocasião, os mortos foram apontados como integrantes de uma quadrilha que se preparava para um roubo a banco.

O chefe do Executivo estadual anunciou ainda a possibilidade de convocar cerca de dois mil policiais da reserva para a realização de trabalhos internos. “Com isso, outros dois mil estariam aptos a ir para as ruas, junto com mais dois mil que deverão ingressar por concurso”, calculou.

Rui Costa também disse que o governo pretende instalar um colégio da PM na região de Cajazeiras, para atender os filhos dos servidores e a população em geral. “Ainda este ano vamos promover a instalação desse colégio. Falta apenas definir o local”, antecipou.

Por Redação GN | Fonte: A Tarde
Compartilhe no G+

GN OnLine

Os comentários não representam a opinião do GN Online; a responsabilidade é única e exclusivamente do autor do comentário.

0 comentários: