Presos tiveram cabeças decapitadas e corações arrancados em presídio de Roraima


A rebelião que deixou pelo menos 33 mortos na penitenciária Agrícola de Monte de Cristo (Pamc), em Roraima, teve cenas de crueldade. Segundo o governo do estado 30 dos 33 mortos foram decapitados e alguns tiveram o coração arrancado. As informações foram divulgadas pelo jornal O Globo.

A chacina, segundo o governo de Roraima, foi uma retaliação da facção Primeiro Comando da Capital (PCC) contra a organização criminosa Família do Norte (FDN), por conta do ataque que deixou 60 mortos nos dois primeiros dias do ano no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus. Já o  ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, afirmou que,"aparentemente", as mortes não são uma "retaliação" após a rebelião  em Manaus.

Segundo a Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania de Roraima, o tumulto na unidade Monte de Cristo começou durante a madrugada desta sexta-feira (06). Policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar entraram no presídio no começo da manhã e a situação já está sob controle. As autoridades estaduais ainda não divulgaram detalhes sobre o que aconteceu.

De acordo com a imprensa local, que divulgou imagens como sendo de hoje, presos podem ter sido decapitados. O Pamc é o maior presídio de Roraima. As mortes em Roraima ocorrem na mesma semana em que 60 presos foram assassinados em estabelecimentos prisionais do Amazonas e um dia após o governo federal lançar o Plano Nacional de Segurança Pública para tentar reduzir o número de homicídios dolosos e feminicídios; promover o combate integrado à criminalidade transnacional e a racionalização e a modernização do sistema penitenciário.

Por Redação GN | Fonte: Agência
Compartilhe no G+

GN OnLine

Os comentários não representam a opinião do GN Online; a responsabilidade é única e exclusivamente do autor do comentário.

0 comentários: